Blog

Medo bom x Medo ruim no Relacionamento Amoroso

Todos nós precisamos do medo. Você acredita?

O tão temido medo faz parte da vida de todo ser humano, desde o nascimento. Se pudéssemos, deixaríamos o medo para trás e jamais olharíamos para ele de frente.

Porém, quero refletir com você sobre dois tipos de medo: o medo bom e o medo ruim.

Antes de tudo, vamos à definição de medo: “Medo é um estado emocional que aparece como resposta diante de uma situação de eventual perigo”.

O que isso significa? A ideia de que alguém ou alguma coisa possa nos ameaçar, faz com que nosso cérebro ative, involuntariamente, uma série de compostos químicos que provocam reações que caracterizam o medo. Por isso, o medo é diferente para cada pessoa. Cada um encara as situações de perigo de formas diferentes.

Por exemplo, uma montanha para um alpinista não representa um perigo, mas uma aventura. Para uma pessoa que tem pavor de altura, uma montanha é encarada como perigosa e acaba despertando o medo.

O medo pode ser um sentimento muito ruim quando vem acompanhado da incapacidade de enfrentá-lo, fazendo com que nos sintamos fracas.

O “medo ruim” vem de distorções de percepções, ou seja, enxergamos algo diferente do que realmente é e nos “travamos” diante do obstáculo. Um sentimento que causa insegurança, ansiedade, fobia, pânico. O medo paralisa.

Por outro lado, o medo pode ser algo positivo para nossas vidas, quando vem do instinto de autopreservação, gerando uma reação de luta ou fuga. Este medo é bom porque nos mantém alertas e distante dos perigos que podem realmente nos prejudicar.

O “medo bom” nos ajuda a evitar situações que nos colocariam em riscos desnecessários. Ao medo bom devemos dedicar tempo, porque quando o conhecemos , podemos usar a nosso favor.

O medo ruim não basta apenas ser identificado, mas também precisa ser superado.

Agora quero aproveitar esse tema e explorar o relacionamento online.

Ao conhecermos alguém em um aplicativo de relacionamento, nos colocamos em uma posição totalmente desconhecida e que pode gerar diversos sentimentos e sensações.

Vamos ser honestas e admitir que para algumas mulheres é bem complicado esse tipo de aproximação, e isso gera medo.

Nesse caso, o “medo bom” ajuda a manter a atenção no que realmente importa e nos sinaliza riscos reais. Um exemplo: Você se envolve com um homem que mora longe e ele pede, depois de algum tempo, que você mande dinheiro para que ele possa viajar e te conhecer. Neste caso, você geralmente não enviaria, por medo de que ele fosse um golpista. Certo?

Este seria o medo bom, porque te impede de uma situação real de risco.

Agora vamos a um exemplo de medo ruim no relacionamento online: Você conhece um homem que tem uma conversa super agradável, é maravilhoso e faz o seu estilo. Ele te convida para sair num ambiente seguro e perto da sua casa e mesmo assim você deixa de ir por medo. Seja por medo do fracasso, medo de como será o encontro, e muitas outras justificativas que o medo te aponta.

Esse medo é ruim, porque te impede de desfrutrar momentos agradáveis, te paralisa e não te permite viver e experimentar a vida que merece.

Então, que tal pensar mais profundamente sobre o medo em sua vida? Identifique como o medo se apresenta, quando ele te ajuda ou atrapalha. Assim, poderá ter mais comando e responsabilidade nos momentos de escolhas.

 

Comentários (0)

© Copyright 2017 - Miria Kutcher - Coach de Relacionamentos.